Kauê – Black Soul / Sentindo-se Bem, 1985 (compacto)

O Paulistano Kauê é mais um daqueles personagens da música brasileira  que pouco se sabe. Lançou apenas este compacto pelo selo Dollar, subsidiária da gravadora Copacabana, em 1985. Recheado de funk e boogie, conta com a participação de parte da banda Placa Luminosa (Riba Nascimento na guitarra, Ari no baixo e Luizão na bateria). Continuar lendo

Tony Bizarro – Nesse Inverno, 1977

“Nesse Inverno” foi seu segundo álbum de estúdio, o primeiro em carreira solo e nasceu na época em que a black music reinava no Brasil. Os arranjos ficaram por conta de Lincoln Olivetti e Waltel Branco e o disco contou com participações de artistas como Robson Jorge, Mamão, Rosa Maria e outros grandes. Continuar lendo

Meireles e Sua Orquestra – Brazilian Explosion, 1974

Conduzido pelo multi instrumentista J. T Meireles, esse disco traz versões muito bem arranjadas de composições clássicas como “Aquarela do Brasil”, “Carinhoso” e “Na Baixa do Sapateiro” numa mistura de samba, jazz, funk e samba rock. Continuar lendo

Coletânea – Tim Maia e Convidados, 1977

 

“Tim Maia e Convidados” é uma coletânea lançada pelo Selo Underground da gravadora Copacabana em 1977 e conta com duas músicas raras do mestre, “Ela Partiu” e “Meus Inimigos”, além de músicas de outros grandes artistas como “Na Hora do Almoço” de Belchior, “Os Caras Querem” de Wilson das Neves e “Meu Samba Reguê” de Marku Ribas. Continuar lendo

Diana – Uma Nova Vida, 1975

 

Lançado em 1975, “Uma Nova Vida” é seu quarto disco de estúdio e traz músicas diferentes do que Diana estava habituada a fazer como representante da música brega no Brasil. Produzido por Tony Bizarro e Jairo Pires, o disco ainda carrega o brega, mas agora numa mistura de funk, soul e MPB e leva a assinatura de José Roberto Bertrami (líder da banda Azymuth) e Luiz Cláudio Ramos. Continuar lendo